Vamos banir a violência obstétrica! #VOBR2014


     Diariamente inúmeras mulheres sofrem de violência obstétrica, mas pouco se é dado a devida atenção a casos desse tipo, sem falar das ocorrências que não são registradas. Infelizmente a violência obstétrica existe, e é uma realidade que está aí para todo mundo ver. Eu mesma presenciei cenas tristes de maus-tratos a parturiente, de enfermeiros se negarem a ajudar uma gestante a ter seu bebê por ela estar fazendo barulho.
     Mamães, imaginem que negar água  a mulher em trabalho de parto, comida, analgésico, um acompanhante e entre outros direitos, isso tudo e muito mais é violência obstétrica. Imagine aquela episiotomia sem necessidade, que o médico faz só para o próprio comodismo, aquela cesárea sem indicação real, que um médico faz só para ter mais tempo livre, pois um parto normal pode demorar muitas horas. Já imaginou, você prestes a ter seu bebê e uma maternidade se recusa a te internar?
     E aí? O que você faria? Pois é mamães, essa é a realidade que vivemos todos os dias, em diversos órgãos de saúde, que simplesmente desmerecem os direitos humanos e direitos da mulher! Nós temos direito do mais alto padrão de atendimento e tratamento e isso não é feito por falta de discussão e transparência.
     No dia 23 de setembro de 2014, a Organização Mundial da Saúde (OMS) tornou pública, em português, uma declaração oficial para a PREVENÇÃO E ELIMINAÇÃO DA VIOLÊNCIA OBSTÉTRICA NAS INSTITUIÇÕES DE SAÚDE de todo o mundo! Você pode conferir nesse link: (http://goo.gl/uIqLtn)
Como você verá, a OMS convoca “maior ação, diálogo, pesquisa e mobilização sobre este importante tema de saúde pública e direitos humanos.” Como somos parte de um grande movimento de mulheres, e porque acreditamos no poder de transformação e impacto que as nossas vozes são capazes de provocar, novamente esperamos que o fortalecimento da discussão sobre a Violência Obstétrica em nosso país seja feito a partir da perspectiva das mulheres! Afinal, o cuidado deve ser centrado em nossa saúde, nossas escolhas, nossos corpos, nós mesmas.
     Para vocês verem como é preocupante, até a OMS pede que seja discutida e exposta essa questão e que lutemos por ser válidos esses direitos! 
     Então mamães vamos acessar o link e compartilhar esse post, para que essa causa seja passada adiante e outras mães e gestantes tomem conhecimento da realidade atual na nossa saúde!
Compartilhe no Google Plus
Ramonnielly Morais, Aquariana, graduanda em Publicidade, blogger, social media, mãe da pequena Júllia, apaixonada por praia, sombra, chocolate, música e moda. Através da maternidade descobri a melhor forma de amar e educar, e busco a cada dia lutar contra a violência infantil e viver a vida familiar da forma mais leve e amorosa possível.
Ramonnielly Morais

Aquariana, graduanda em Publicidade, blogger, social media, mãe da pequena Júllia, apaixonada por praia, sombra, chocolate, música e moda. Através da maternidade descobri a melhor forma de amar e educar, e busco a cada dia lutar contra a violência infantil e viver a vida familiar da forma mais leve e amorosa possível.

Cadastre-se e receba nossos artigos por e-mail!

19 comentários:

  1. Oi, querida! Quando li essa declaração comecei a pular de alegria, finalmente está em português CLARO o quanto as mulheres vem sendo enganadas em sua hora mais sublime, que é o parto!
    Parabéns pelo ótimo post!

    ResponderExcluir
  2. Ainda não sou mãe, mas estou vendo diversos movimentos em relação a isso! acho que ainda falta muito para melhorar 100% mas todos estão tomando consciência da importância do bom atendimento as mães!

    ResponderExcluir
  3. Conheço muitos casos de violência obstétricas, inclusive escrevi sobre isso no meu blog. Ainda bem que algo tem sido feito para acabar com isso.
    Beijos
    adri

    ResponderExcluir
  4. Que bom que estão fazendo algo por isso!
    Também já ouvi algumas reclamando por terem sido muito mal atendidas nessa hora. Era pra ser a melhor hora de toda mulher e não estressante, não é mesmo?
    Beijinhos e Sucesso!
    http://dulcineiadesa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Ai que bom mesmo.
    Muitas sofrem demais.
    Eu sofri pouco graças a Deus.
    Mas ja vi varios casos horríveis tomara que mude isso.

    Beijos
    Geri Ferreira
    www.encantodemeninablog.com

    ResponderExcluir
  6. Que bom que isso está mudando, deve ser muito difícil isso, sorte que não passei por nada disso!!
    Bjs, Mundinho de Arianne

    ResponderExcluir
  7. Ainda vai demorar pra tudo isso acabar .. mas temos mesmo que meter a boca no trombone ...

    Roberta Aquino
    Tal Mãe, Tal Filha Blog

    ResponderExcluir
  8. Nossa! adorei! fico revoltada quando vejo tantas mães sofrendo e até perdendo a vida pela enorme negligência que existe na saúde hoje em dia, principalmente a pública! bjo

    ResponderExcluir
  9. Ótimo post, vou entrar no link sim!

    Bjs,
    www.soumae.org

    ResponderExcluir
  10. Isso é super importante. Temos uma coluna no blog assinada por uma doula que escreve textos muuito bons.
    Bjos

    ResponderExcluir
  11. Amei o texto. Realmente é absurdamente grande o número de mães que sofrem com isso. Aff, tem que acabar. Bjs

    ResponderExcluir
  12. Infelizmente essas coisas ainda acontecem, precisamos divulgar!
    bjs

    ResponderExcluir
  13. Amei a iniciativa
    Precisamos nos ajudar para acabar com essa violência
    Bjus
    http://segredosdaluma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Muito legal a divulgação sobre o tema.
    Realmente todos os dias vemos muitos desrespeitos as gestantes. Temos que banir a violência obstétrica.
    Bjks
    www.maevaidosa.com

    ResponderExcluir
  15. Ótimo post! Isso é um problema sério que precisa ser alertado! Aqui em minha cidade ja vi muitos casos infelizmente!
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. É uma causa nobre, que todas nós mulheres devemos abraçar...
    É um problema de saúde pública, mas acredito que o buraco é mais embaixo, precisamos ter mais médicos e enfermeiros de plantão, com capacidade para atender ao gigantesco n´mero de mulheres que chegam grávidas pelo Brasil a fora...
    Não basta só banir a violência obstetra, precisamos estar todos preparados, mulheres, mães, hospitais e profissionais da saúde, para se ter um parto tranquilo, sem violência não só no nascimento, mas desde a chegada da mãe ao hospital, os primeiros atendimentos, etc...
    O jeito que a gente é tratada quando chega ao hospital, e ainda não está na hora de nascer o bebê, não desejo a ninguém... Ou mesmo no momento do parto, onde já presenciei mulheres em trabalho de parto, a merce de suas próprias dores... Devemos abraçar essa causa, mas devemos ensinar ou aprender a ter mais amor ao próximo e tratar as gestantes com mais atenção e carinho...
    Adorei o post...
    Bjs
    Ju

    ResponderExcluir
  17. Como comentei lá na sua fanpage, Ramonnielly, passei pela violência obstetrícia e nem sabia que tinha este nome. Foram humilhações, falta de higiene, falta do mínimo de conforto etc.
    Tive um aborto retido em novembro do ano passado e fiz uma curetagem no Cândida Vargas, em João Pessoa, e não recomendo nenhuma mulher ir para lá.
    Compartilhei seu post e espero que muitas mulheres tomem conhecimento dos seus direitos!
    Parabéns pelo post e pelo blog, Linda! Sucesso! Beijosssss...

    ♡ Blog: SolteirasNoivasCasadas.com

    ♡ Fan Page: facebook/SolteirasNoivasCasadas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deusa Luh, é uma pena, mas infelizmente a violência obstétrica está aí e poucas são as mães que realmente denunciam! Obrigada pela sua visita! :)

      Excluir