Formação de Hábitos Alimentares na Infância



     
A alimentação saudável é essencial, para crescimento e desenvolvimento positivo na infância e manutenção a saúde para o restante da vida. E esta deve ser o mais variado possível para que o organismo possa receber todos os tipos de nutrientes essenciais. A formação de hábitos alimentares na infância está ligada a diversos fatores que podem interferir nessa formação. Dentre esses fatores estão:

Fatores fisiológicos, (alimentação da mãe durante a fase da gestação, paladar do recém-nascido, leite materno, neofobia);
Fatores ambientais (alimentação dos pais e/ou cuidadores, as condições socioeconômicas, a influência da TV, alimentação mista e alimentação escolar).


     Alimentação intrauterina

   Alguns estudos mostram que aroma ingeridos pela gestante pode ser transmitido via líquido amniótico, assim se a gestante consumir algo com alta concentração de alho o liquido amniótico terá “sabor” de alho.      Porém é possível que a experiência intrauterina, contribua para preferências de sabores. O Líquido amniótico por ser aromático o seu odor é influenciado pela dieta da mãe.
Um estudo de 2001, mostrou que bebês de mulheres que bebiam muito suco de cenoura nas últimas semanas de gestação, mostravam que durante a fase da introdução da alimentação complementar, esses bebês tinham maior entusiasmo por alimentos com cenoura que os demais alimentos.


     Leite Materno

    Pesquisas tem relatado que a alimentação da mãe durante a lactação pode afetar o sabor do leite materno, sendo que os compostos químicos que dão sabor e aroma aos alimentos, são de uma forma indireta ingeridos pelos bebes durante a amamentação pelo leite materno, já adquirindo assim a preferência pelos hábitos da mãe. O que difere de crianças alimentadas por formulas e infantis e leite de vaca. Crianças alimentadas ao leite materno tiveram melhor aceitação aos alimentos complementares que as que foram alimentadas por alguma razão pelas formulas.


     Neofobia

     A transição do leite para alimentação complementar objetiva que a criança tenha preferência por pelo menos alguns dos novos alimentos oferecidos. Fazendo que com que ela aprenda essa aceitação.

     A resistência em consumir novos alimentos que recebe o nome de neofobia. Muitos dos alimentos rejeitados pela criança no primeiro momento, acabam sendo aceitos mais tarde com novas ofertas em outros momentos e oportunidade, basta não desistir e insistir sempre que for necessário, sendo que é oportuno a exposição de 5 a 10 vezes para se ter certeza que a criança vai ou não ter preferência ou rejeição por determinado alimento. 

Erroneamente a primeira rejeição é interpretada por uma repulsão permanente e acaba que o alimento é excluído da dieta da criança.


     Alimentação dos pais

     A população infantil é influenciada pelo ambiente onde vive, que, na maioria das vezes, é constituído pelo ambiente familiar. Dessa forma, as suas atitudes são, reflexos desse ambiente. E quando o meio ambiente é desfavorável, o mesmo poderá propiciar condições que levem ao desenvolvimento de distúrbios alimentares que, uma vez instalados, poderão permanecer ao longo da vida.

     A alimentação dos pais costumam ter decisões decisivas nas escolhas alimentares das crianças, afetando a sua formação de hábitos alimentares. O padrão alimentar de uma família que prioriza fontes de gorduras, açúcares, doces e bebidas açucaradas e diminui a ingestão por frutas, legumes, hortaliças e cereais, contribui de forma negativa no estilo de vida alimentar levando a maus hábitos e desencadeando doenças associadas a obesidade, doenças crônicas e deficiências de nutricionais.

     É imprescindível que a mudança no padrão alimentar dessa família, para que a formação dos hábitos saudáveis das crianças seja priorizado levando a qualidade de vida na fase adulta.

Resultados de pesquisas mostram que pais obesos por práticas alimentares irregulares influenciam os filhos a levarem as mesmas práticas, levando-os a desenvolverem obesidade.

     Assim como mães que tem comportamento alimentar de forma restritiva aos alimentos pela prática de controle de peso e aparência corporal, também influenciaram os filhos principalmente do sexo feminino a adquirirem a mesma prática, podendo comprometer a adequada ingestão de alimentos levando a uma diminuição da ingesta de calorias levando consequentemente a deficiência de nutrientes da alimentação.

     Outro fator parental que influencia nas preferencias e aversões a determinados alimentos é quando os responsáveis forçam a criança a comer alimentos saudáveis, a fim de ganhar recompensas: "se você comer os seus vegetais você poderá comer chocolates”. Mesmo que esta abordagem seja para encoraja-los ao consumo de vegetais, esta tática tende a reduzir o gosto da criança pelo alimento referido, e isto pode inclusive reforçar a preferência por chocolates e não os vegetais.


     Condições Socioeconômicas

     As condições socioeconômicas já demonstraram que ocorre influência na escolha dos alimentos.      Crianças com menos condições, são propensas a consumirem alimentos com maior concentração de açúcares e gorduras por serem bem mais baratos que os demais alimentos, e isso acarreta em uma má alimentação levando a uma ingesta inadequada de nutrientes essenciais, desencadeando maus hábitos alimentares na fase da infância, interferindo nas escolhas para formação dos hábitos.

     Já as crianças em condições socioeconômicas maiores tem maiores chances de consumir maior variedades de alimentos incluindo carnes, frutas e legumes assim como os carboidratos de preços mais acessíveis.


     A influência da TV

     A tevê é um dos fatores potenciais nas escolhas alimentares, poucos segundos de comerciais já são suficientes para determinar as escolhas por determinados produtos. A qualidade dos alimentos exposto na tevê são justamente os que apresentam maior quantidade de gorduras e açúcares, isso determina a mudança de hábitos alimentares tanto de crianças como de adolescentes. Um estudo feito demonstrou que as crianças que passavam mais tempo em frente à tevê durante a infância tiveram grande aumento de massa gorda. O que confirma que a televisão além de promover o sedentarismo, estimula as crianças a ingestão de alimentos calóricos.


     Alimentação em grupo

     Muitas crianças passam maior parte do seu dia nas creches ou escolas que normalmente comem em grupo. Quando a escola que determina o cardápio isso tem um fator positivo por influenciar uns aos outros no consumo destes pelo alimento proposto que geralmente é balanceado por nutricionista. Porém quando estes alimentos são de liberdade dos pais levar pode influenciar de forma negativa por sempre ter uma criança que tem hábitos alimentares de baixo valor nutritivo levando aos demais a desejarem o mesmo lanche. Uma alternativa para solucionar essa questão é implantação de educação nutricional nas escolas, por possibilitar às crianças a obtenção de aprendizado e conhecimento básico de alimentação e nutrição. E para que seja eficaz é importante esse aprendizado dentro das salas explorando ao máximo a imaginação das crianças. Esse processo deve ser a longo prazo para que se seja firmado o conhecimento e levar a prática aos hábitos saudáveis, levando esse conhecimento para casa.


     Conclui-se então que a formação de hábitos alimentares na infância se dá desde a gestação e amamentação, devendo as mães ficarem atentas com a dieta que são recebidas nesses primeiros momentos da criança. É importante que se tenha uma variedade de alimentos para que se promova desde esse período as preferências adquiridas nessa fase.


Porém o fator que mais influencia as escolhas alimentares está na alimentação dos pais, principalmente dos cuidadores. A alimentação dos pais torna a decisão de maior relevância na formação dos hábitos alimentares infantis.

Para melhor estimulo é importante a apresentação expostas dos alimentos de forma variada. Um ambiente familiar em que as frutas e legumes são escasso e os de alta densidade calórica, ricos em gorduras e açúcares são de fácil acesso, os hábitos tendem a se formar por esse tipo de alimento.

Importante então que os pais tomem consciência de um equilíbrio nutricional, para a formação dos hábitos alimentares dos seus filhos, promovendo dentro do ambiente familiar uma adequada aquisição dos alimentos.


     Rejane Rodrigues, Nutricionista. CRN 12618

     Consultório: Avenida Almirante Barroso 600, Empresarial Villa. Centro, sala 504. João Pessoa/PB.
Compartilhe no Google Plus
Ramonnielly Morais, Aquariana, graduanda em Publicidade, blogger, social media, mãe da pequena Júllia, apaixonada por praia, sombra, chocolate, música e moda. Através da maternidade descobri a melhor forma de amar e educar, e busco a cada dia lutar contra a violência infantil e viver a vida familiar da forma mais leve e amorosa possível.
Ramonnielly Morais

Aquariana, graduanda em Publicidade, blogger, social media, mãe da pequena Júllia, apaixonada por praia, sombra, chocolate, música e moda. Através da maternidade descobri a melhor forma de amar e educar, e busco a cada dia lutar contra a violência infantil e viver a vida familiar da forma mais leve e amorosa possível.

Cadastre-se e receba nossos artigos por e-mail!

0 comentários:

Postar um comentário