A maternidade vista de fora: lhe dando com os palpites

mulher chateada

Na maternidade, os palpites viraram rotina, e é um assunto que chega a ser chato, mas não devemos ignorá-lo. Afinal, por que os palpites existem?
Além de aborrecer as mamães, quando não solicitados, os palpites muitas vezes podem confundir a cabeça, nos deixar confusas sobre alguns assuntos e chegam constranger quando de mau gosto. Ter paciência e saber se desviar desses comentários e relevá-los, muitas vezes é a melhor opção, mas sabemos que nem sempre nosso humor está tão bom para fazer de conta que nada nos foi dito, por isso muitas vezes chego a argumentar e na maioria das vezes apenas ignoro. Como sabemos que mais de uma opinião em determinados assuntos nos ajuda, então algumas mamães blogueiras vieram contribuir para nos ajudar nesse mundo palpiteiro.

"Eu não sei não, mas acho que fui muito palpiteira na gravidez alheia, espero que tenham sido conselhos positivos, mas só hoje percebo o quanto as mães se irritam com isso.
Mas não sei se pelo fato de ter sido uma palpiteira rsrs acabei não me importando com os palpites alheios, os bons conselhos me ajudaram e os maus deletei nem fiquei remoendo ou pensando naquilo.
Pessoas desconhecidas nunca chegaram e  palpitaram na minha maternidade, não sei o motivo,  pode ser por nunca ter dado brecha pra conversa mole.
Todos os palpites vieram da família e de amigos, então nunca considerei uma afronta a mim,  recebi, usei ou deletei.
É assim até hj!"
Gisele Cirolini - Soumae.org é um blog com várias dicas de decoração e organização de festa infantis, chá de bebê, quartos e também rola muito papo de mãe.
"Isso de começar a receber palpites já começa quando estamos grávidas, sempre tem alguém, até pessoas desconhecidas que te param na rua e querem te dar alguma dica sobre o parto, sobre alimentação ou pegar na sua barriga (te conheço pra você querer passar a mão em mim???), e depois que o bebê nasce então, é muita, muita gente com "pena" da nova mãezinha e começam a artilharia pesada de palpites, como se isso fosse ajudar em alguma coisa. Minha técnica era dizer "a pediatra mandou fazer assim", "ela tem alergia" (ela tinha APLV de verdade até quase completar um ano) e sorrir e balançar a cabeça também funciona... ehehe Acho que palpites tem que ser dados quando a mãe pede, fora isso tem que deixar os novos pais seguirem o rumo da sua vida como quiserem com seu bebê, palpites só deixam a mãe mais frustada sem saber o que fazer."
Mi Gobbato - Espaço das Mamães. Para conhecer um pouco mais como somos, venha visitar nosso Espaço Das Mamães, aonde divido um pouco de tudo, dos nossos passeio, produtos, dicas de lugares.
  
"A maternidade vista de fora, é tudo muito fácil, simples, mais nós mães que estamos na prática sabemos que não é bem assim né!!! Acho que desde o mundo é mundo temos as pessoas palpiteiras, algumas dão na super boa intenção de ajudar, outras pessoas parecem que adoram dá palpites pois se acham "melhor" e que o ela está dizendo é o certo.E quando nos tornamos mais desde o início da gravidez escutamos muito palpites não é mesmo?? Eu sempre fui muito de ouvir os palpites que me deram, mais não quer dizer que aceito/concordo e/ou até mesmo que irei fazer, ouvir opiniões, coisas que outras mães já fizeram podem nos ajudar sim, então acredito que não tenha muito problemas em relação a isso, pois se me serve eu faço, se não agradeço, e entra por um ouvido e sai pelo outro, pois se ficar argumentando que não acredito em tal coisa, ou que isso não funciona, não vai me levar a nada, então a melhor solução que achei para mim foi essa, escuto, analiso, e ai decido o que faço., se considero ou não e assim vou levando a maternidade do meu modo." 
 
Daniela Zanatto​ - Mamãe Aprendiz é um blog com dicas para tentantes, gestantes e mães de primeira viagem.
"É interessante que, ao te ver com um bebê no colo (ou na barriga), tanta gente vira Expert em bebês! E vem pra cima de você com verdades absolutas - muitas vezes distorcidas, ultrapassadas ou simplesmente contra o que você acredita. E realmente é difícil de escapar.
Muitas pessoas nos dão dicas que são muito legais. Eu tive ajuda de muitas amigas com dicas que foram valiosíssimas. Entretanto, tem gente que quer te "enfiar goela abaixo" algo que você não concorda. Lembro quando estava com a Mari bebezinha, e uma pessoa da família insistia que eu tinha que dar água, pois estava muito calor. Mas ela só tem 3 meses, o médico disse que o leite materno, em livre demanda, proporciona tudo o que o bebê precisa, inclusive a água. Mas quem disse que eu conseguia convencer? O jeito foi fazer "cara de paisagem" dizer um "eu vou ver", e dar um jeito de mudar de assunto.
Com pessoas de fora, um sorriso e um obrigada pela dica (mesmo que ela não for boa) vale sempre. A maioria dos palpiteiros está somente querendo ajudar. Não custa lidar com educação. Caso queira deixar claro que não concorda com a dica, responda com um sorriso no rosto, com carinho, e explique seus motivos.
As vezes uma amizade pode acabar ou um "racha" na família começar simplesmente por uma resposta atravessada à um "só estava tentando ajudar"!"

Como podemos perceber, ignorar ou aceitar sempre são as melhores alternativas, as vezes a raiva ou a razão pode falar mais alto, mas a educação tem a voz mais alta. Os palpites quando solicitados, são como ouro, porém se não te pedi opinião, guarde para você!
Se formos bater de frente com todos que querem deixar sua opinião, o mundo viraria uma guilhotina, e não queremos isso, não é mesmo?
Então mamães, o jeito é fazer aquela velha "cara de paisagem", e ser feliz!
Compartilhe no Google Plus
Ramonnielly Morais, Aquariana, graduanda em Publicidade, blogger, social media, mãe da pequena Júllia, apaixonada por praia, sombra, chocolate, música e moda. Através da maternidade descobri a melhor forma de amar e educar, e busco a cada dia lutar contra a violência infantil e viver a vida familiar da forma mais leve e amorosa possível.
Ramonnielly Morais

Aquariana, graduanda em Publicidade, blogger, social media, mãe da pequena Júllia, apaixonada por praia, sombra, chocolate, música e moda. Através da maternidade descobri a melhor forma de amar e educar, e busco a cada dia lutar contra a violência infantil e viver a vida familiar da forma mais leve e amorosa possível.

Cadastre-se e receba nossos artigos por e-mail!

2 comentários:

  1. Aodrei o post. Os palpites rolam ao longo de toda a nossa vida, mas na maternidade isso fica mais intenso. São mais palpites que ouvimos e também ficamos menos tolerantes a eles. Realmente a maternidade vista do lado de fora é muito mais fácil do que a maternidade real.
    beijos
    Chris
    http://inventandocomamamae.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Adorei participar dessa conversa! Ficou ótimo o post!
    um beijo
    www.mamaeaprendiz.com

    ResponderExcluir